O AC Cobra está de volta

Por fora é igual ao modelo de 1962 mas por dentro recebe motorizações novas. O Cobra está agora disponível com o motor 2.3 Ecoboost ou com uma opção totalmente eléctrica.

Este modelo iniciou a sua vida com a plataforma do modelo inglês AC Ace, produzido entre 1951 e 1962 que recorria a blocos BMW 6 cilindros, capazes de mover os 871 kg a velocidades de 166 km/h. Em 1962 a AC iniciou a parceria com a Shelby onde nasceu o Cobra, com motores de origem Ford, preparados por Carroll Shelby, com o objectivo de rivalizar o Chevrolet Corvette. O modelo recebeu algumas alterações como o diferencial do Jaguar E-Type e várias motorizações, todas V8 Ford, desde o “pequeno” 4.3 litros, até ao final 7.0 litros de 425 cavalos e 262 km/h na versão de estrada e 485 cavalos e 298 km/h na versão de competição, capaz de um 0 aos 100 km/h na casa dos 4 segundos.

Apesar de ser mundialmente conhecido devido a todas as corridas que ganhou e ao seu design único, este modelo emblemático da história automóvel contou com poucas unidades vendidas e rapidamente se tornou um bastante procurado.

A AC ouviu os seus cliente e para celebrar o 58º aniversário do Cobra decidiu voltar a produzir o modelo com números limitados, cerca de 58 unidades eléctricas e aproximadamente 58 unidades a gasolina.

O AC Cobra Series 1 electric apresenta um motor eléctrico de 312 cavalos e 250 Nm de binário, com um modo onde pode alcançar os 500 Nm de binário. O conjunto de baterias soma 54 kWh com uma autonomia de 240 km. Ainda que acuse um peso é de 1250 kg , devido às baterias, o seu 0 aos 100 km/h fica-se por uns modestos 6,7 segundos.

Na opção a gasolina, AC Cobra 140 Charter Edition, será utilizado o motor Ecoboost de quatro cilindros a gasolina Ford que podemos encontrar em modelos como o Mustang ou o Focus RS. Os 2.3 litros turbo produzem 350 cavalos e 440 Nm de binário permitindo ao modelo efectuar os 0 aos 100 km/h em apenas 6 segundos, pois torna-se mais leve que a versão eléctrica.

Ambos os modelos apresentam o mesmo chassis e opções de configuração exterior, que respeitam a primeira geração do modelo dos anos 60. A sua distribuição está prevista para o final do ano e os preços das 116 unidades já são conhecidos. A versão a gasolina irá custar aproximadamente 93 mil euros, sendo que a eléctrica se inicia nos 151 mil euros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *